segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Fúria do falo


A fúria do falo
Esvaindo o gozo
A cinco dedos,
É um ato excitante.

É um prazer solitário
Resultante do incontrolável
tesão do macho que  independe
de imagens reais /virtuais.

Coisa linda de se ver,
Um falo ereto
Negro ou rosado,
De leite banhado
É delírio inegável.

Na punheta
o falo excede suas medidas
 o macho derrama seu vigor
consagrando seus desejos
no gostoso ato libidinoso

fogosinha

3 comentários:

  1. Lindo poema. E melhor do que um prazer solitário é poder derramar todo esse vigor másculo diante dos olhos desejosos de uma mulher que sabe apreciar uma deliciosa punheta e quem sabe até acompanhe ou responda numa siririca.

    ResponderExcluir
  2. Gostos ... e gostos não se discutem...

    ResponderExcluir
  3. Excelente poema. Sou um punheteiro assumido e que também curto derramar o meu vigor de macho perante os olhos excitados de uma fêmea cheia de malícias e desejos.

    ResponderExcluir